Metamorfrases

Que a libélula se torne liberta
Que a métrica extrapole a meta
Que os rastejantes virem voa dores
Para o corte, vir em cores.

Que a cigarra, com garra, se desgarre
Transformada, que a frase mude a fase
Que as rasas asas transmutem à altura
Pra que a amargura se converta em amar cura.

Sandra N. Flanzer, inédito

Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>