Praga

Hoje, uma espécie de bicho
Me tomou, subiu pelo nicho
Um tipo assim bem nojento
Transportado pelo vento
Adentrou, subiu pela cama
Tendo asas e barbatana
Um tipo assim pegajoso
Infectando o espaço todo
Bicho de estirpe surreal
Contagiando o corpo total
Uma laia de inseto que gruda
Nos pés, nas mãos e na bunda
Que ilude, se finge de fraco
Mas ressurge do buraco
Aquele tipo legítimo de bicho
Que se nutre da falta e do lixo
Um tipo sem pena, que emana
Transformando o vazio em gana
E tanto agrada quanto engana:
Tipo a gente, quando ama.

Sandra N. Flanzer, inédito

Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>