Encontro indigente

As lágrimas secas despencavam de seu rosto, na noite úmida e interminável.

Fracassada no descanso, não achava posição em sua cama de repousar. Foi quando avistou, da janela suicida, a mulher revirando na rua o lixo da madrugada. Mal vestida, procurava seu básico, aquela mulher ali, catando o lixo. Revestida de uma simplicidade estonteante: procurava o essencial no lixo da rua.

Como poderia estar aquela mulher ali, buscando algo, se lá de cima seus dejetos apodreciam-na por dentro?

Revirava-se sob o essencial para não largar seu lixo não perecível, enquanto a mulher tranquilamente revirava o lixo reciclável de sua existência.

Sandra N. Flanzer, a pa-lavra

Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>