Certos insetos

Que venham as pulgas, as moscas e as vespas;
O piolho, o pernilongo e o percevejo.
Sejam bem-vindas todas as graúdas bestas
E as miúdas, que quase nunca vejo.

Adentrem na sala a barata e o gafanhoto,
Pelo friso da janela, agora aberto.
Que me invadam bichos vivos, e o morto,
Que me infecte todo e qualquer inseto.

Quero a traça traçando meu destino incerto,
Pousar no canto da cigarra e ser formiga,
Quero borboletear por aí, de peito aberto,
Ser abelhuda no veneno da mordida.

Liberem as pestes, que agora tudo é praga!
Entre minha aranha, carrapatos e mosquitos
Está aberta a peçonhenta temporada,
Quero meus grilos dando asas aos meus gritos.

Sandra N. Flanzer,  por um, segundo

Email

Pano de fundo

Nada quanto ao que se faça. Nada quanto ao que se teça. O que é vivo dá panos pra manga e gera tessitura, apenas isso. Às vezes, a borda transborda. E, justo porque morro no ponto final, insisto: sinto as sobras do tecido pinicando a pele. Essa rede, feita entre nós, é o lugar mais perto daquilo que ainda posso chamar de viver.

Feneço no fim da picada da agulha que fura irreverente, penetrando a superfície de cada desencontro. Cato a unidade iludida na densa tela, fazenda fundamental que me liga à você. Às vezes posso prescindir da liga, às vezes padeço. Pois é menos solitário se costuro, no véu do texto, alguma textura. Suavemente enganada no pano que roça meu rosto, amor tecido.

Trago na memória das minhas mãos fazentes cada veio falhado, na tentação de prender os pontos, a caber nessa nossa espessa cosedura. Queria-o meu, esse pano tramado, desejava-o só pra mim. E, mesmo supondo ser furada, acredito loucamente na precisão da agulha.

Uns dizem que é destreza, mas o que tenho é defeito na alma. Não passa quando o vento arreda o véu. Aumentam as fendas infecháveis por onde cava a agulha, pinicado ainda mais a alma de trapo toda, entregue ao repetitivo fazer de cada vez.

Trago comigo uma dor de existir que é pano de fundo. Uma dor que é pano de mundo. Trago no avental do corpo essa morte plana. E há, para além de todos os meus planos, esse pano imundo.

Sandra N. Flanzer,  por um, segundo

Email